Resenha: Não olhe!

Título: Não olhe!
Autora: FML Pepper
Sinopse:
Zyrk pode estar com as horas contadas: a híbrida acabou de cruzar o portal e o frágil equilíbrio entre os quatro clãs encontra-se definitivamente ameaçado. Há milênios forças ocultas espreitam, aguardando apenas o momento de emergir das sombras e mostrar seu poder.
Fugir e sobreviver. Aceitar e lutar. Há muitos caminhos, mas qual deles seguir se a Morte possui várias faces?
Nina acorda entre a vida e a morte na terceira dimensão, levada para a sombria Thron. Richard, o nada confiável resgatador de apaixonantes olhos azul-turquesa, luta contra sua própria natureza. Cruel e sanguinário, Rick está confuso e cada vez mais cercado por seus inimigos.
Mesmo o melhor dos guerreiros, o mais temido e destemido, está protegido da força de um grande amor?
Ele e a híbrida viajarão por toda Zyrk, e ela irá se deparar com um universo fantástico, um mundo violento, o plano da Morte. Lutando para se libertar de seus medos e determinada a encontrar seu caminho e sua identidade, Nina embarcará em uma jornada de descobertas arrasadoras, um percurso sem volta.
Mas a garota das pupilas verticais descobrirá que as vontades do coração podem ser mais traiçoeiras que lendas ou maldições.


Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Estou aqui trazendo para vocês o segundo livro dessa trilogia da FML Pepper e confesso que a trama não parou de me surpreender positivamente.
A resenha do primeiro livro você encontra aqui e logo eu trarei a do terceiro para cá também!

Não indico o prosseguimento na leitura desta resenha se você ainda não leu o primeiro livro! Continuar será por sua conta e risco… depois não diga que eu não avisei.

Nina cruzou o portal para Zyrk e ao se entregar para a sua morte, acordou enquanto estava sendo levada para Thron.
Seu emocional estava completamente em pedaços e ela se sentia traída de todas as formas pelo homem que amava. Convenhamos que, depois de tudo que Richard fez no último livro, não é incomum que ela se sinta assim.

Confusa, Nina se vê se prisioneira em Thron tendo que lidar com a realidade dos fatos: Richard tinha a vendido pelo trono do clã e agia como um canalha, se mostrando cada vez pior, destruindo ainda mais seus sentimentos ao mesmo tempo em que secretamente dizia-lhe coisas bonitas e a deixava nadando em dúvidas; e Shakur, o líder de Thron, que era impiedoso e rígido e, apesar de agir estranhamente às vezes, deixava as claras que “a híbrida” era sua prisioneira e que controlava seu destino.

Seus dias em Thron são complicados pelas confusões em que se metia ou em que era colocada e foi salva por Richard diversas vezes, em suas tentativas de mostrar que se importava com ela. Mas tudo isso muda com a chegada de Collin, filho de Shakur, que fica completamente enfurecido por ter perdido o trono que lhe pertencia e para se vingar decide reivindicar para si a híbrida alegando que era justo já que Richard tinha conquistado o trono e Shakur concorda. Collin, porém, propõe a Richard trocar o trono por Nina e Richard nega, deixando mais uma vez a garota se sentir abandonada e traída por ele.
Collin então decide possuir a garota e ela determinada a escapar daquilo luta com ele com toda a garra que possuía, até que tudo ao seu redor girou e ela apagou.

Acordando em outro lugar, sem entender o que tinha acontecido, Nina começa a pensar que sonhou tudo aquilo que tinha vivido em Thron, pois ela agora estava com o grupo de John e seguia em direção ao seu clã. Já em Storm, apesar de também estar na condição de prisioneira, ela tinha um pouco mais de liberdade e foi ali que ela começou a descobrir o que esperavam dela, saber mais sobre a tal lenda que a envolvia, além de conseguir alguns aliados importantes pois conseguiu fazer com que eles nutrissem bons sentimentos por ela e isso inclui John, a pessoa que aparentemente era a mais e sensata e “menos pior” da dimensão. Por isso, quando Shakur vai atrás dela e Kaller, pai de John e líder do clã, toma a medida desesperada de possuí-la para testar a lenda, Nina consegue ajuda para fugir dali e tentar se abrigar em Windston (clã de seu avô).

A partir daí ela inicia uma fuga contando com a ajuda e proteção dos seus aliados para conseguir sobreviver e fugir dos clãs que estavam atrás dela e quem sabe viver ali com seu avô ou até mesmo voltar para a sua dimensão.

O livro é narrado em primeira pessoa por Nina e é repleto de ação, adrenalina e reviravoltas. Você é pego de surpresa a todo instante durante a leitura, a autora faz suas dúvidas se aflorarem e consumirem seus pensamentos com maestria e você se perde e fica completamente sem reação quando pensa que entendeu tudo e de repente tudo muda e isso te faz querer ler mais e mais o livro para saber o seu desfecho e entender o que estava acontecendo realmente… E quando acaba, você se vê boquiaberto e ansiando pela leitura do próximo livro.

Os personagens são cheios de personalidade e tem seus próprios mistérios e Nina precisa saber desesperadamente em quem pode confiar. Com o seu destino numa linha tênue entre a vida e a morte, é palpável a sensação de confusão e desespero em que ela se encontra. Apesar de ser birrenta e mimada, ela precisa conhecer a sua história e seu propósito de existir para sanar o conflito de sua vida e, assim, acaba sendo difícil não torcer por ela.
Eu não sabia distinguir o sentimento que se desenvolvia em minha alma. Richard havia me traído, me trocado e me salvado diversas vezes. Quem era ele afinal de contas: meu anjo atormentado ou meu cândido demônio?

John acabou me conquistando por ser devoto a sua fé e por ser justo, por acabar criando expectativas que podem o machucar muito e mesmo sabendo que Nina não corresponde seus sentimentos, ele se entrega e faz tudo o que pode para tentar ajudá-la. Senti compaixão por ele e ao mesmo tempo consegui compreender Nina, então é uma difícil situação… mas torço imensamente por um final feliz para ele.

Já Richard, que faz o esteriótipo de “bad boy” é confrontado pelo destino ao entrar em conflito com os próprios sentimentos, o que faz com que ele piore ainda mais a sua relação com Nina, mesmo que sem intenção. Tem horas que dá vontade de bater nos dois porque eles ficam num drama típico de novela mexicana, mas é compreensível a forma em que ele se sente. Imagine você com um futuro todo traçado e de repente tudo perde o sentido por causa de sentimentos que você sem sabia que conseguiria sentir na vida.
(…) Parecia imprudência, quase insanidade, mas seu gênio instável me assustava e me fazia desejá-lo ainda mais.

Samantha e Kevin também reaparecem para movimentar a trama, juntamente com outros nomes… uns já conhecidos e outros não. Mas cada um é peça chave neste conflito dimensional.

Nota:
O post original desta resenha foi feito em 22/09/2016 e você pode conferi-lo clicando aqui!

A obra chama “Não olhe!” mas definitivamente você precisa olhar para ela, rsrs.

Beijos!

0 comentários:

Deixe seu comentário