Resenha: A garota que perseguiu a Lua

Título: A garota que perseguiu a Lua
Autora: Sarah Addison Allen
Sinopse:
Como você pode achar seu caminho? Seguindo as nuvens ou a lua? Emily Benedict foi para Mullaby após a morte de sua mãe. Ao chegar à cidade e conhecer seu avô ela percebe que os mistérios do lugar nunca são resolvidos: eles são uma forma de vida. Existem quartos cujo papel de parede muda de acordo com o seu humor, luzes estranhas aparecem no quintal à noite e Julia Winterson, a vizinha, consegue cozinhar a esperança em forma de bolos. Emily percebe que sua mãe esteve envolvida no maior mistério da cidade, e conta com a ajuda de Julia para desvendá-lo. Em Mullaby nada é o que parece.

Bom dia, bom dia, bom dia pra vocês! 

Eu já programei a postagem de todas as resenhas que eu fiz na plataforma antiga e elas vão ser postadas intercaladas com os novos posts aqui do blog, tudo estará migrado até o fim do mês. Uhuul! \õ/
Logo mais as meninas devem começar a migrar as resenhas delas também e aí teremos a casa completa de volta. :)

Então hoje estou trazendo para vocês "A garota que perseguiu a Lua", porque ela queria encontrar nosso Coelho. hahaha
Sabem quando vocês olham para uma capa e acabam escolhendo o livro por causa dela? Esse livro na minha vida é um desses casos, rsrs.

A trama conta duas histórias paralelas: A de Emily e a de Julia. Emily perde a mãe num acidente e se vê obrigada a mudar para Mullaby e morar com seu avô (que ela nem sabia que tinha). Já Julia é natural de Mullaby mas devido a problemas na adolescência acabou saindo de lá e retornou agora porque seu pai faleceu e deixou algumas dívidas que ela precisa quitar.

Nesta cidade as coisas não parecem muito normais para Emily, a começar pelas luzes que aparecem a noite em seu quintal e por ser odiada por quase todos da cidade por causa de algo que sua mãe fez no passado à familia Coffey, um assunto sobre o qual todos evitam falar.
Através de Julia, ela descobre que a sua mãe era, na juventude, uma pessoa completamente diferente (no lado ruim da palavra) da que ela conheceu.
Em meio a essas novidades tão misteriosas e a forçada adaptação, ela conhece Win Coffey e essa aproximação dos dois causa um certo desconforto na família dele e nos fofoqueiros de plantão da cidade.

Julia conta os dias para deixar Mullaby. Ela é confeiteira e seu dom é quase mágico, seus bolos atraem as pessoas. Ela precisa permanecer apenas mais um pouco até poder vender o restaurante de seu pai e tirar de vez essa cidade de sua vida. A cidade guarda todas as mágoas e lembranças que ela deseja esquecer… inclusive Sawyer, um rapaz que ela conheceu na adolescência.

A narrativa é em terceira pessoa com o olhar de diversos personagens, o que nos permite ter várias visões e passar por vários detalhes e a trama conta ainda com uma dose leve do sobrenatural, o que faz com que tudo seja “natural” para quem é de lá. Como Emily não é de lá, tudo é terrivelmente mal explicado pra ela… é algo como “as coisas são assim, aceite” sem justificativas plausíveis para tantos acontecimentos estranhos. E se você planeja ler o livro para descobrir e entender todos, esqueça… a maioria deles não tem explicação, passando ao leitor o mesmo tom de “as coisas são assim, aceite”. E eu detesto isso, de verdade. Se você gosta, vá em frente que isso não irá te atrapalhar na leitura.

Além disso, o romance desenvolvido entre Emily e Win é fraco e o grande segredo do tal “sacrilégio” cometido pela mãe dela é algo do tipo “aff, sério que é isso?!”. Mas a forma como a verdade é exposta e as coisas ficam as claras com esse assunto foi bem intrigante e interessante, o que foi bom.

Ouso dizer que, ao meu ver, o livro só é bom pela história da Julia, que é muito bonita e bem desenvolvida, além de triste. Era pelo desenrolar dela que eu ansiava ler, o passado dela rico em detalhes que foi fabuloso descobrir, entender a razão de ela querer tanto sair de lá e se afastar de Sawyer e ficar num conflito interno que geralmente sentem sobre achar se eles devem ou não ficar juntos apesar de tudo. Só maravilhas, completamente envolvente!

Completo dizendo que a diagramação do livro também é linda, cheia de detalhes bem acabados.
Vale a pena lê-lo numa tarde de descanso. :)

Nota:



E você, já leu esse livro? O que achou? Comente com a gente! 

O post original desta resenha foi feito em 08/01/2016 e você pode conferi-lo clicando aqui.

Beijos.

2 comentários:

  1. Nunca li nada da autora, apesar de ter dois livros dela na estante em lista de espera!
    Obrigada pela review :)

    MRS. MARGOT

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela escreve bem até, quando ler algo me conte o que achou e me indique algum livro!
      Obrigada pela visita! :)
      Bjs.

      Excluir