Resenha: A floresta dos corvos


Título: Floresta dos corvos
Autor: Andrew Peters
Sinopse:
Ark vive no alto das últimas árvores que restam no mundo. E, já que mesmo em um país suspenso como Arborium alguém precisa desentupir os canos, ele tem uma profissão: aprendiz de encanador. É enquanto está ocupado com o vaso sanitário de um político poderoso que o garoto se torna testemunha de algo que vai mudar sua vida. Sem querer, Ark entreouve a conversa de conspiradores que pretendem destruir seu país.
Uma perversa enviada de Maw, o império inimigo, feito de vidro e metal, planeja tomar as ricas árvores de Arborium e transformá-las em matéria-prima, fazendo de seu povo, os pacíficos dendrianos, nada mais que escravos de seu plano maligno.
Flagrado, Ark precisa fugir para não ser morto, e terá de percorrer o gigantesco arvoredo e chegar à sombria Floresta dos Corvos, onde talvez esteja sua única chance de proteger seus amigos e seu lar.

Olá, pessoal!
Eu sou a Mariana. Esta é a primeira vez que eu me apresento com o meu nome real em um blog ou algo parecido. Estou aqui principalmente para dar uma mãozinha a esta equipe, mesmo que meu tempo esteja descontroladamente apertado.
Embora eu houvesse pensado em várias coisas para escrever, eu não faço muita ideia do que falar. Na verdade, eu pensei em falar de um livro que li recentemente (finalmente consegui voltar com o meu tempo para ler) e quer saber? Eu falarei sobre ele mesmo. 

É de uma obra infanto-juvenil e eu não  me importo nem um pouco de ler, já que os livros são os olhos da mente e são importantes para trabalhar nossa imaginação e ter uma visão mais espacial de todos os fatos que estão ocorrendo.
Apesar do livro ser do estilo em que a leitura agrada mais adolescentes por ser descontraído, também nos ensina bastante sobre os problemas que ocorrem até mesmo na realidade, principalmente sobre guerras e invasões de países e destruição de um ambiente familiar para tornar todos escravos. Também fala das diferenças sociais, onde os mais pobres são treinados para serem encanadores, e os mais abastados são treinados para serem médicos.
A linguagem utilizada na obra é totalmente informal dependendo do personagem que se fala, e a história chega a ser um pouco mais complexa dependendo do ponto em que chegamos. Por ela se tratar de personagens que trabalham com encanamentos, e outros que estão se formando como médicos, a maneira falada é técnica e muitas vezes escatológica, deixando o leitor muitas vezes desconfortável com o que é lido.
Eu diria que o livro é mediano. Não é algo obrigatório, que você precisa ler hoje, mas se quiser, será bem-vindo a essa leitura com direito a piadas estilo A Praça é Nossa.

Nota:



Muito obrigada por acompanharem a minha resenha. Boa leitura para quem quiser se aventurar neste livro!

1 comentários:

  1. Seja bem-vinda, Mari! <3
    Tenho certeza que você aqui só vai enriquecer nosso conteúdo!
    Grande beijo.

    ResponderExcluir