Resenha: Miguel



Título: Miguel
Autor: Carol Paim e Sheila Bomfim
Sinopse:
Pecados e virtudes. Certo e errado. Isso importa quando o amor está em pauta?
Uma mulher provocadora. Um homem respeitador e religioso.
Ele acredita no sexo após o casamento. Ela acredita em encontros de uma noite. Paixão é o que ela sente. Ele sente o amor. Ela quer ser feliz e nesse ponto os dois concordam, mas como fazer dar certo para que os dois tenham seu final feliz? Quem abrirá mão de seu jeito de viver para se adequar ao outro?
Quando as certezas e crenças de um homem são postas à prova pela determinação e desejo de uma mulher, tudo pode acontecer.
Miguel é um romance divertido sobre aceitação e respeito. Onde o maior desejo é que o amor prevaleça sobre o preconceito e os obstáculos que a diferença de pensamentos e crenças podem trazer.



Oi gente, tudo bem? Hoje quero apresentar uma leitura que "vale a pena ler de novo", que me encheu de saudade desse casal, e por isso, merece estar no blog novamente.

Estou toda “coraçõezinhos” hoje porque acabo de ler um romance água com açúcar, e amei!

Este livro é narrado por Miguel, ex-seminarista, que mesmo tendo abandonado o seminário, ainda mantém alguns costumes e segue algumas doutrinas da igreja. E antes de sair do seminário, fez os votos de manter a castidade até depois do casamento. Até então, estava tudo muito bem pra Miguel, mas aí ele conhece Aurora.

Aurora é uma mulher independente e espirituosa, que gosta de curtir a vida adoidado, sabe? E quando conhece Miguel e passa a ser amiga dele, as coisas mudam de figura. Aurora não quer casar e não acredita no casamento, porque tem um mau exemplo em casa.

As coisas mudam de amizade para algo mais, e esse algo mais é algo que eles não podem ter, segundo os votos de Miguel.

E a paixão acontece, assim como a vontade de estar junto. Miguel tem muitas dúvidas quando à sua fidelidade à religião e se um ato de descuido que tiveram é o suficiente para ser considerado um traidor.

Entre tantas dúvidas de Miguel, Aurora também se mostra insegura do que quer. É tipo aquela frase: o coração diz sim, mas a razão diz não.

E essa parte das dúvidas, seria um caldo de chatice no livro, mas não é! Você compreende perfeitamente o conflito interno que ambos têm. Ambos temem trair aquilo em que tanto acreditam e, ao tomar uma decisão, se arrepender depois.

Miguel é um cara sério, centrado, enquanto que Aurora é sarcástica e boca suja. São totalmente opostos, mas dispostos a dar uma chance ao coração. E o casal briga o tempo todo por causa dessas diferenças.

No decorrer da história há uma briga em que o discurso de um deles arranca lágrimas. É tão sincero e cru que você sente o que realmente as autoras quiseram transmitir. E depois ainda tem um acidente, que dá um empurrãozinho na relação (não que o acidente tenha sido bom, mas que abriu os olhos de alguém, abriu).

Há um capítulo apenas narrado por Aurora, e eu adorei! O jeito dela de se expressar, os palavrões que fala, e as manias que tem são hilárias.

Como toda história de amor, o final é clichê, mas apenas o final. Se é clichê, você já sabe o que acontece, então o que vou falar não é spoiler (hahahaha): os votos de casamento são de viver! Eu adorei cada palavra dita pelos dois, e tive a certeza que foram feitos um para o outro.

As autoras fazem muitas referências inteligentes e divertidas, citando Os Trapalhões e Legião Urbana. Além de ser uma escrita leve, cita versículos da Bíblia e algumas histórias religiosas, mas que não deixam o livro maçante ou só focado nesse assunto. Outro ponto divertidíssimo é quando Aurora explica para Miguel o que é um palavrão.

Boa leitura.

Beijos

Nota:


O post original desta resenha foi feito em 14/03/2016 e você pode conferi-lo aqui.

0 comentários:

Deixe seu comentário