Resenha: Use-me

Oi gente, tudo bem? Tudo bem também.
Hoje terminei de ler um livro que não dava nada pra ele. Como adoro me surpreender!


Título: Use-me
Autora: Kimberly Knight
Sinopse:
ESTE ROMANCE CONTÉM CONTEÚDO EXPLÍCITO E NÃO É ACONSELHÁVEL PARA LEITORES MENORES DE 18 ANOS

A vida de Rhys Cole sempre girou em torno do hóquei. Ele sempre soube que quando crescesse jogaria na NHL, mas quando seu sonho de ser convocado não aconteceu, escolheu uma segunda opção: tornar-se jornalista esportivo para uma emissora local de TV. Porém, assim como nos esportes, às vezes se ganha e outras se perde. Ao flagrar a namorada na cama com um estranho, Rhys vai até o bar próximo à sua rua para esfriar a cabeça.
Após trabalhar como repórter de rua, cobrindo histórias em condições meteorológicas extremas, e trabalhando até tarde, Ashtyn Valor é promovida a principal apresentadora do noticiário da noite. Após se estabelecer na carreira, Ashtyn está pronta para dar o próximo passo na vida com o namorado. No entanto, quando ele, inesperadamente, rompe o namoro, Ashtyn decide adormecer a dor no bar mais próximo.
Rhys e Ashtyn esperavam que uma noitada, alcoolizados, mascarasse a dor daquela noite de Outubro. O que não esperavam era encontrar alguém que pudesse ampará-los da escuridão de suas mágoas.
Ou que o passado de ambos se entrelaçaria... perigosamente.
Quando a obsessão se torna perigosa, Ashtyn busca segurança em Rhys. Mas o quão seguro, de fato, eles estão?
O jogo do amor nunca para...
E o deles... estava apenas começando.

Até parece que gosto de todos os livros que leio né? Mas a verdade é que se não me prende nas primeiras páginas, nem termino de ler.
É por isso que essa resenha é mais uma com 5 estrelinhas, porque ô romance delicioso!
Primeira coisa que me conquistou: Rhys não se sente diminuído por ter que escolher a segunda opção em relação à sua profissão. Qualquer outro cara ficaria se lamentando por aquilo que não deu certo. E ainda botaria a culpa em alguém.
Segunda coisa que me conquistou: personagem na casa dos trinta anos, independentes e bem resolvidos. Não é porque ambos foram traídos e/ou deixados que ficaram se lamentando. Preferiram afogar as mágoas na bebida (kkk) e acabaram se conhecendo.
E o resto, é só o resto. Parecia que estava destinado a acontecer. Nada foi imposto, nem forçado, nem iludido. A coisa toda começou para "ampará-los da escuridão de suas mágoas" mas a bem da verdade nem tinha muuuuita mágoa assim. Como disse, adultos resolvidos.
O fogo é abundante, não conseguem não se tocar, não se pegar, não se beijar. É o tempo todo! De todas as formas.
Além desse fogo, o livro fala sobre obsessão, bullying, trabalhar com o que se ama, fama, e o descobrimento de sentimentos que até então eram desconhecidos (do tipo: você acha que ama uma pessoa, mas conhece outra, se apaixona e aí descobre que nada do que você sentia pela outra pessoa tem qualquer relevância). É arrebatador.
Rhys e Ashtyn são divertidos, espirituosos, de bom coração e muito apegados à família. São companheiros, se preocupam com os seus e são amigos leais. Quem não se apaixonaria?
Esse título e resenha me fizeram acreditar que era um romance irrelevante, sem sentimento. Imaginei que era essa coisa de usar a outra pessoa mesmo e ponto. Mas minha conclusão é que é muito mais do que isso. Sabe quando o destino te coloca no caminho certo, na hora certa?



Beijo

Boa leitura

Nota:


0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário