Resenha: Uma ilha no Atlântico

Oi gente, tudo bem? Por aqui tudo bem também.
Um tempinho atrás, postei aqui as primeiras impressões do novo livro de Day Fernandes, e hoje vou falar de TODAS as impressões que tive!
Vamos lá?!

Título: Uma ilha no Atlântico
Autora: Day Fernandes
Sinopse:
Para a arquiteta Mariana Fragoso, uma das maiores certezas de sua vida é que morrerá solteira. Ela acredita que o amor pertence somente ao mundo da fantasia, e quando se trata de assuntos do coração, se protege com uma blindagem extraforte. Até embarcar em uma aventura inesperada.
Sob a responsabilidade de chefiar a construção de um imóvel, Mariana é enviada para Maris, uma ilha do outro lado do Oceano Atlântico. Entretanto, logo após conhecer Théo Santiago, o misterioso proprietário do terreno no qual vai trabalhar, ela se vê cercada por uma esfera eletrizante, um tipo de força que sempre a leva em direção a ele. E é aí que tudo começa a dar errado!
Decidida a evitar seu novo cliente – e as sensações que ele lhe provoca quando está por perto –, Mariana planeja terminar seu trabalho o mais rápido possível. Mas o destino parece ter outros planos...
Ao longo de sua estadia nessa ilha paradisíaca, coisas inexplicáveis começam a acontecer. Terremotos, invasões, e um certo par de olhos azuis viram sua vida de ponta-cabeça. E em meio a sonhos assustadores, lembranças fragmentadas e um segredo que envolve seu passado, presente e futuro, Mariana precisará fazer uma escolha mais difícil do que imagina, além de tentar escapar da armadilha mais temida de todas: o amor!
Quando duas pessoas até então desconhecidas sentem uma conexão instantânea e poderosa, só podemos atribuir a “culpa” à força da natureza. E ela realmente o faz. Terremotos, tempestades e incêndios acontecem para nos provar isso.


Maris, a ilha no Atlântico em que Mariana vai a trabalho, esconde muitos segredos e seus moradores se mostram mais misteriosos ainda. Sua extrema preservação, construções históricas e uma lenda que parece guiar seus habitantes fazem da ilha mais interessante do que parece.
Théo é o cara que tira Mariana dos eixos. Ele é o mais misterioso de todos, que chega a dar raiva. Dá a impressão que ele quer que Mariana descubra tudo por si mesma. Théo é extremamente cavalheiro,  protetor demais e seu jeito de falar é muito diferente do que estamos acostumadas. Ele é lindo, intenso e temos a impressão que seu olhar transmite tudo o que sente. Não é de admirar que Mariana fique atraída por ele.
Essa força que gravita ao redor de Mariana e Théo é o ponto central do livro. Demorei um pouco para perceber os motivos, mas estão diretamente ligados à história da ilha e da lenda que a cerca. Todas as cenas que envolvem esses mistérios e os muitos sonhos de Mariana são bem detalhistas e dá para sentir exatamente o que os personagens sentem. O detalhismo que me incomodou nas primeiras impressões é justificado nesse trecho do livro.
Trazida sabe-se lá de onde, uma rajada de vento soprou com força, balançando as folhas das árvores e estremecendo a superfície calma do lago. E trazendo mais sussurros com ela... “Está vindo...” “Prepare-se...” “...machucar” “...ajuda” “...mal” Outras vozes fantasmagóricas se juntaram à primeira, e agora ressoavam de todo lugar, frias e mórbidas, atravessando meus pensamentos (...).
Tive a sensação de uma das cenas principais do livro ser parecida com um dos filmes da Saga Crepúsculo, ao encarar as recém descobertas. Achei bem parecida mesmo! Quem assistiu/leu a saga vai entender quando chegar nessa parte.
No geral, o livro é bem escrito e a trama interessante. Mas, fiquei com a sensação de que faltou tanto romance como fantasia. Senti que ambos os temas poderiam ser mais desenvolvidos; O relacionamento de Théo e Mariana poderia ser mais complexo e não apenas instantâneo. Claro que o fator “instantâneo” tem total sentido na trama, mas esperava que fosse mais do que isso. Até porque Théo esperava por esse sentimento há anos. E quanto ao mistério, a aceitação de Mariana foi fácil demais, porque eu teria, no mínimo, surtado ao descobrir tudo.
— Mariana Fragoso, minha Vasilissa (...).

Nota:

Beijo

Boa leitura!
2 comentários via Blogger
comentários via Facebook

2 comentários

  1. Eu fico muito feliz que vc tenha gostado! A ilha é realmente a conexão com toda a história, do passado, presente e futuro. Obrigada pelo carinho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Toda essa conexão com a natureza é demais! <3

      Excluir