Resenha: Caçadores de Bruxas

Oi, pessoal! Como estão todos? 
Bom, estou trazendo aqui o primeiro livro desta trilogia incrível e espero que apreciem a resenha tanto quanto eu gostei de ler. :)

Título: Caçadores de bruxas (Trilogia Dragões de Éter)
Autor: Raphael Draccon
Sinopse:
Nova Ether é um mundo protegido por poderosos avatares em forma de fadas-amazonas. Um dia, porém, cansadas das falhas dos seres racionais, algumas delas se voltam contra as antigas raças. E assim nasce a Era Antiga. Essa influência e esse temor sobre a humanidade só têm fim quando Primo Branford, o filho de um moleiro, reúne o que são hoje os heróis mais conhecidos do mundo e lidera a histórica e violenta Caçada de Bruxas. Primo Branford é hoje o Rei de Arzallum, e por 20 anos saboreia, satisfeito, a Paz. Nos últimos anos, entretanto, coisas estranhas começam a acontecer... Uma menina vê a própria avó ser devorada por um lobo marcado com magia negra. Dois irmãos comem estilhaços de vidro como se fossem passas silvestres e bebem água barrenta como se fosse suco, envolvidos pela magia escura de uma antiga bruxa canibal. O navio do mercenário mais sanguinário do mundo, o mesmo que acreditavam já estar morto e esquecido, retorna dos mares com um obscuro e ainda pior sucessor. E duas sociedades criminosas entram em guerra, dando início a uma intriga que irá mexer em profundos e tristes mistérios da família real.


Há algum tempo eu trouxe aqui minha análise sobre "Cemitérios de Dragões", o livro que me apresentou o autor. E quando tive a chance de conhecer uma outra obra dele fiquei muito animada.
Apesar de um livro não ter nada a ver com o outro, esse novo universo criado pelo Raphael ~ um mundo de Éter ~ é tão incrível quanto o primeiro.
Aqui, nos são apresentadas novas versões para aqueles velhos personagens das fábulas infantis, ou algumas teorias de  como terminaram de tal forma.


Através de um narrador - ideia esta que inicialmente não me atraiu muito - vamos sendo introduzidos na trama e entendendo a vida das pessoas de Nova Ether/Arzallum muitos anos após a sangrenta Caçada de Bruxas, liderada pelo que então viria a se tornar o maior dos Reis, Primo Branford. 
Os capítulos curtos mostram vários pontos de vista e, a princípio, parecem apenas histórias sem muita ligação. A gama de personagens é enorme, e eu sinceramente não sei como ele consegue administrar todos eles sem se perder ou deixar passar algo. Eu não consegui, rs.
E então percebemos que cada ação de todos esses personagens vai levando a um único ponto. 
Não irei me estender muito esmiuçando cada um deles e seu papel na história. Pois, além de serem muitos, o ideal é ir conhecendo aos poucos e entendendo suas próprias referências a seu modo. 

A escrita do autor é magnífica e este livro tem uma história muito bem construída, com personagens que parecem ter vida própria (ou que eu gostaria que tivessem) e um mundo quase real. 
O desenvolvimento de cada personagem é muito bem elaborado. Raphael te dá margens para adivinhar o que está por vir, ou de que forma uma vida se liga à outra. E, mesmo assim, fui surpreendida algumas vezes. 
O fato de existir um contador dá a sensação de que estamos bem próximos de onde ocorreria a história, como se fosse em tempo real. Isso faz desta leitura uma experiência muito bacana. 
Mesmo que o "arco" deste livro tenha sido fechado, ainda restaram algumas dúvidas, que eu prefiro não compartilhar para que não haja spoiler. 

Porém, mesmo com vários pontos positivos a serem ressaltados, devo dizer que alguns pequenos detalhes me desagradaram um pouco também.
Alguns dos pontos não tão positivos:
  • Raphael se demora muito no enredo de determinados personagens, em suas descobertas.. o que torna a coisa toda um tanto maçante;
  • Os capítulos curtos, ainda que facilitem a leitura, acabam fazendo com que algumas revelações demorem mais a vir;
  • E, por fim, o narrador. Mesmo que eu tenha citado ele anteriormente como algo envolvente na narrativa, o que me irritou um pouco foram as interrupções que ele fez em pontos altos da leitura, o que fez com que o clima daquele momento se esvaísse.

A despeito de qualquer irritabilidade que eu tenha tido enquanto lia (haha), essa é uma história que vale a pena ser explorada. Sem dúvida, Draccon sabe como envolver seus leitores.

Nota:




Um beijo e boas leituras!
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário