Resenha: A rainha dos sete mares

Olá pessoal, tudo certo aí desse lado da telinha?
Posso dizer pelo meu lado que estou emocionada e feliz. E o motivo é essa leitura fantástica que trago hoje a resenha para vocês.

Título: A rainha dos sete mares
Autora: Bianca Sousa
Sinopse:
O fundo do mar é governado por seres dotados de inteligência e ganância, como qualquer grande império. No entanto, dentre os sete reinos, um deles oculta um inquietante segredo capaz de ruir com tudo o que foi construído até o momento.
Agatha é a sereia herdeira deste reino, mas tem ideias contrárias às tradições que a impedem de exercer seu lugar de direito: o trono. Geniosa e corajosa, ela não aceita tais condições nem mesmo quando se vê obrigada a assumir o controle após uma catástrofe que ameaça a vida marinha. Sem a menor chance de desabar, precisa ser forte para provar a todos – e a ela mesma – que poderá ficar à frente do povo. Para proteger a todos precisará mergulhar fundo em segredos obscuros e trazer à tona verdades enterradas pelo tempo, além de enfrentar o maior e mais temido monstro dos mares: o Kraken.



Em nossa pequena aventura submarina, conhecemos as profundezas do oceano e somos apresentados à sete reinos: Atlantis, Acquamarine, Ferdald, Soken, Mirum, Siren e Awyn. E Atlantis, como já indica o nome, se encontra formada na cidade perdida de Atlântida - que há muito afundou. 

Lá habitam dois grandes povos, os sereianos e os octopus, e eles vivem em constante conflito por razões extremamente preconceituosas. Por conta de sua similaridade com o Kraken, um grande e perigoso monstro que foi banido há muito tempo para as Águas Profundas pelo rei Christopher III de Atlantis, os octopus são hostilizados e condenados a viver à margem da sociedade. Nossas protagonistas, Agatha e Malvina, são habitantes deste reino. Sendo Agatha uma sereia e princesa e Malvina uma octopus condenada a um destino pior que a morte. 

Por causa das leis e tradições do reino, Agatha se vê obrigada pelos pais a se casar para não perder o trono. E como toda boa protagonista, de fantasia ou não, ela tem uma visão empoderada de si mesma e do mundo... e luta com todas as suas forças pelo direito de decidir seus próprios caminhos. Devido a essa inconveniente chateação, ela sobe até a superfície para espairecer e quando retorna, na companhia de sua melhor amiga, vê seu reino sendo tomado pelo caos por causa dos ataques irrefreáveis do Kraken, que misteriosamente escapou da prisão da qual nunca poderia sair, e de Malvina.

Órfã graças ao ataque e decidida a assumir o trono mesmo contra as leis, ela navega os mares até Acquamarine tomada pelo desejo de vingança, em busca de como pode derrotar o Kraken e sua comparsa. Lá ela conhece Maleika e as demais bruxas do mar, Hanine, Johanna e Fridah, e é guiada até a prisão nas Águas Profundas para descobrir não só como o Kraken escapou, mas também toda a verdade sobre o passado. 
Mas o que ela poderá fazer com as descobertas quando a maior das batalhas for travada em seu próprio coração? Conquistar seu reino e seu povo da mesma forma que seus pais e vingar-se ou finalmente propor a mudança de que talvez o mundo marinho estivesse precisando há tempos?

Perguntei-me brevemente se seria capaz de aguentar tamanha informação. Meu corpo físico convulsionava com as muitas facetas da verdade demonstradas em sentimentos e sensações conflitantes. Já minha mente lutava para se manter lúcida enquanto depurava os acontecimentos.


A proposta do livro é incrível, trabalhar de uma forma diferente o preconceito, o machismo e o descrédito com outros olhos, e também as consequências de julgamentos feitos precipitadamente, em que o lado mais fraco nem direito de se defender tem. 

Em seu caminho até a verdade, Agatha nos faz transbordar com sua personalidade forte e a força que tem em seu coração para lutar em prol do povo marinho. Ela vai amadurecendo e aprendendo no decorrer da trama e isso é bem gostoso de acompanhar. Me decepcionaria se não fosse diferente, pois a personagem não começa agradando com seu jeito turrão e imaturo. 

Eu queria ser dona da minha vida, do meu destino.

Já a trama de Malvina, caracterizada aos olhos de Agatha como antagonista, é de partir o coração e todas as conchas do fundo do mar. Vítima da intolerância e do preconceito, mesmo lutando contra isso, a personagem definha até beirar à tênue linha da loucura. Sua história é tão real que podemos vê-la no nosso dia a dia - ou então até mesmo vivê-la. 

Sempre estive à mercê da sorte, do destino, da casta a que pertencia. Agora não mais!

Isso sem falar na caracterização fantástica do Kraken, ele é certamente um dos personagens mais incríveis pois quebra todos os paradigmas de histórias em que ele é citado. Um ser mítico tão antigo quanto a própria história do mundo, trabalhado de forma tão singular e cativante.

O problema era ser injustiçado. (...) Temi, pela primeira vez em centenas de anos, não ser capaz de perdoar, pois não havia mais espaço em mim para isso. 

E que história, meus amigos, que história! 
Já não é segredo o quanto eu amo fantasia, mas uma assim tão próxima de nós é de encher o coração de alegria. Muda-se o cenário, cria-se mundos, mas a realidade ainda está ali para estapear a nossa cara. Confesso que quando comecei a ler, esperava algo completamente diferente de desfecho e que grata surpresa essa leitura se tornou! É tudo tão bem orquestrado que te prende até o fim, a reviravolta da trama é fascinante e tocante. 

Não havia o certo e o errado quando todos haviam se machucado tanto e uns aos outros de infinitas maneiras.

Com relação a parte gráfica, sendo de produção independente, a diagramação está impecavelmente linda e vou ser obrigada a admitir que eu comprei o livro pela capa, porque sério... olhem que capa mais maravilhosa! Fiquei namorando o livro lá na Bienal, no fim decidi comprá-lo e de presente ainda conheci a autora e ganhei um autógrafo cheio de carinho! ♥
Praticamente não encontrei erros de escrita que prejudicassem a leitura e o mais legal é que tem um glossário para explicar alguns termos utilizados no decorrer da história. 

Nota:
Certamente indico o livro para os amantes de fantasia, mas proponho aos que não gostam que deem uma chance para ele porque ele trata de um assunto que estamos vivendo de uma maneira tão cruel e forte nos últimos tempos, que precisamos ter a coragem de Malvina e Agatha para mudar e melhorar o mundo, para sermos reis e rainhas da nossa própria história! 

Boa leitura, beijos. 
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário